Perguntas & Respostas com base na obra de Kardec.

Fonte: Estudando as obras de Kardec – Astolfo Olegário de Oliveira Filho – aoofilho@oconsolador.com.br – Londrina, Paraná (Brasil) – e coletânea de perguntas elaboradas pelo Grupo Espírita Allan Kardec.

P&R: Sabe-se que apesar de existirem espíritas dedicados ao seu aprimoramento moral e na divulgação espírita correta, há aqueles que fazem mais o mal que o bem, pela falta de mudança íntima, pelos maus pensamentos e sentimentos que nutrem constantemente. Qual orientação espiritual podemos extrair nesta situação?

P&R: Sabe-se que apesar de existirem espíritas dedicados ao seu aprimoramento moral e na divulgação espírita correta, há aqueles que fazem mais o mal que o bem, pela falta de mudança íntima, pelos maus pensamentos e sentimentos que nutrem constantemente. Qual orientação espiritual podemos extrair nesta situação?

Sabe-se que apesar de existirem espíritas dedicados ao seu aprimoramento moral e na divulgação espírita correta, há aqueles que fazem mais o mal que o bem, pela falta de mudança íntima, pelos maus pensamentos e sentimentos que nutrem constantemente. Qual orientação espiritual podemos extrair nesta situação?

“Ditosos os que hajam dito a seus irmãos: “Trabalhemos juntos e unamos os nossos esforços, a fim de que o Senhor, ao chegar, encontre acabada a obra”, porquanto o Senhor lhes dirá: “Vinde a mim, vós que sois bons servidores, vós que soubestes impor silêncio aos vossos ciúmes e às vossas discórdias, a fim de que daí não viesse dano para a obra!” Mas, ai daqueles que, por efeito das suas dissensões, houverem retardado a hora da colheita, pois a tempestade virá e eles serão levados no turbilhão! Clamarão: “Graça! graça!” O Senhor, porém, lhes dirá: “Como implorais graças, vós que não tivestes piedade dos vossos irmãos e que vos negastes a estender-lhes as mãos, que esmagastes o fraco, em vez de o amparardes? Como suplicais graças, vós que buscastes a vossa recompensa nos gozos da Terra e na satisfação do vosso orgulho? Já recebestes a vossa recompensa, tal qual a quisestes. Nada mais vos cabe pedir; as recompensas celestes são para os que não tenham buscado as recompensas da Terra.” – O Espírito de Verdade. (Paris, 1862.)

Allan Kardec. O Evangelho segundo o espiritismo, cap. XX, item 5.

Share

P&R: O que é preciso para o homem viver em paz?

P&R: O que é preciso para o homem viver em paz?

O que é preciso para o homem viver em paz?

“Não podem os homens ser felizes, se não viverem em paz, isto é, se não os animar um sentimento de benevolência, de indulgência e de condescendência recíprocas; numa palavra: enquanto procurarem esmagar-se uns aos outros. A caridade e a fraternidade resumem todas as condições e todos os deveres sociais; uma e outra, porém, pressupõem a abnegação. Ora, a abnegação é incompatível com o egoísmo e o orgulho; logo, com esses vícios, não é possível a verdadeira fraternidade, nem, por conseguinte, igualdade, nem liberdade, dado que o egoísta e o orgulhoso querem tudo para si”.

Allan Kardec. Obras Póstumas, o egoísmo e o orgulho.

Share

P&R: Todos estão sujeitos a serem enganados quando lidam com os espíritos? Kardec passou por isso?

P&R: Todos estão sujeitos a serem enganados quando lidam com os espíritos? Kardec passou por isso?

Todos estão sujeitos a serem enganados quando lidam com os espíritos? Kardec passou por isso?

“Senhores, não ignoro que tenho aqui muitos inimigos. Isto vos espanta, no entanto, nada é mais verdadeiro. Sim, aqui há quem me ouça com ira; não digo entre vós, graças a Deus! onde espero jamais ter senão amigos. Refiro-me aos Espíritos enganadores, que não querem que vos dê os meios de desmascará-los, desde que descubro as suas astúcias, pondo-vos em guarda, e lhes tiro o domínio que poderiam ter sobre vós. A tal respeito, senhores, dir-vos-ei que seria erro supor que eles exerçam esse domínio apenas sobre os médiuns.”

Allan Kardec. Revista Espírita, outubro de 1860.

Share

P&R: Além do sentimento em si, existe outra razão, de cunho espiritual, para o homem se sentir mal ao se encontrar com um desafeto?

P&R: Além do sentimento em si, existe outra razão, de cunho espiritual, para o homem se sentir mal ao se encontrar com um desafeto?

Além do sentimento em si, existe outra razão, de cunho espiritual, para o homem se sentir mal ao se encontrar com um desafeto?

Esse sentimento, por outro lado, resulta de uma lei física: a da assimilação e repulsão dos fluidos. O pensamento malévolo emite uma corrente fluídica que causa penosa impressão; o pensamento benévolo envolve-nos num eflúvio agradável. Daí a diferença de sensações que se experimenta, à aproximação de um inimigo ou de um amigo.

Allan Kardec. O Evangelho segundo o Espiritismo, cap. XII, item 3.

Share

P&R: Como pode o Espiritismo ter inimigos já que ele torna feliz e melhor o homem?

P&R: Como pode o Espiritismo ter inimigos já que ele torna feliz e melhor o homem?

Como pode o Espiritismo ter inimigos já que ele torna feliz e melhor o homem?

“É natural, explica Kardec. O estabelecimento das melhores coisas choca sempre interesses, ao começar. Como querer que uma doutrina que conduz ao reino da caridade efetiva não fosse combatida por todos os que vivem no egoísmo?”

Allan Kardec. O Que É o Espiritismo, biografia de Allan Kardec.

Share