Obras Allan Kardec

Obras de Allan Kardec

Allan Kardec era o pseudônimo de Hippolyte Léon Denizard Rivail, nascido em Lion, a 3 de outubro de 1804, numa antiga família de orientação católica com tradição na magistratura e na advocacia. Desde cedo manifestou propensão para o estudo das ciências e da filosofia. Em 6 de fevereiro de 1832 desposou Amélie Gabrielle Boudet. Ganhava a vida como contador e após o trabalho diário escrevia livros de gramática e aritmética. Traduzia obras escritas em inglês e alemão. Ministrava em sua casa cursos gratuitos de anatomia, astronomia, física e química, os quais eram bastante frequentados.

Em 1849, tornou-se professor no Liceu Polimático, ensinando Astronomia, Fisiologia, Química e Física. Várias de suas obras foram adotadas pela Universidade de França, que o transformaram em respeitável nome no meio acadêmico. O homem Rivail, perfeitamente integrado ao seu tempo, conhecedor da vasta cultura que movia o século XIX tinha por seus méritos alcançado o reconhecimento almejado, daí o fato de não utilizar seu nome nos escritos da codificação espírita para não influenciar seus leitores.

Conforme o seu próprio depoimento, publicado em Obras Póstumas, foi em 1854 que o Prof. Rivail ouviu falar pela primeira vez do fenômeno das “mesas girantes”, bastante difundido à época, através do seu amigo Fortier, um magnetizador de longa data. Sem dar muita atenção ao relato naquele momento, atribuindo-o somente ao chamado magnetismo animal de que era estudioso, só em maio de 1855 sua curiosidade se voltou efetivamente para as mesas, quando começou a frequentar reuniões em que tais fenômenos se produziam.

Convencendo-se de que o movimento e as respostas complexas das mesas deviam-se à intervenção de espíritos, Rivail dedicou-se à estruturação de uma proposta de compreensão da realidade baseada na necessidade de integração entre os conhecimentos científico, filosófico e religioso, com o objetivo de lançar sobre o real um olhar que não negligenciasse nem o imperativo da investigação empírica na construção do conhecimento, nem a dimensão espiritual e interior do Homem. Adotou, nessa tarefa, o pseudônimo que o tornaria conhecido – Allan Kardec – nome esse, segundo o que teria lhe dito um espírito, que teria utilizado em uma encarnação anterior como Druida.

Assim, valendo-se do método científico concebeu a obra da codificação oportunizada pelos espíritos superiores. Após vir à luz O Livro dos Espíritos, considerado como o marco de fundação do Espiritismo, foi publicada a Revista Espírita em 1º de janeiro de 1858 e fundou-se nesse mesmo ano, a primeira sociedade espírita regularmente constituída, com o nome de Sociedade Parisiense de Estudos Espíritas.

Kardec passou os anos finais da sua vida, dedicado à divulgação do Espiritismo entre os diversos simpatizantes, e a defendê-lo dos opositores.

Faleceu em Paris, a 31 de março de 1869, aos 64 anos de idade, em decorrência da ruptura de um aneurisma, quando trabalhava numa obra sobre as relações entre o Magnetismo e o Espiritismo, ao mesmo tempo em que se preparava para uma mudança de local de trabalho. Está sepultado no Cemitério do Père-Lachaise, uma célebre necrópole da capital francesa. Sobre seu túmulo, erguido como os dólmens druídicos, lê-se a inscrição: “Nascer, morrer, renascer ainda e progredir sem cessar, tal é a lei”.

[/dropdown_box]

01, O Livro dos Espíritos, 1857
02, O que é o Espiritismo, 1859
03, O Livro dos Médiuns, 1861
04, Viagem Espírita em 1862, 1862
05, O Espiritismo na sua expressão mais simples, 1862
06, O Evangelho segundo o Espiritismo, 1864
07, O Céu e o Inferno, 1865
08, A Gênese, 1868
09, Obras Póstumas, 1890
10, Resumo da Lei dos Fenômenos Espíritas, 1864
11, A obsessão, 1950
12, Instruções práticas sobre as manifestações Espíritas
13, Coletânea de Preces Espíritas

Voltar ao índice de autores

Compartilhe