Obras José Herculano Pires

José Herculano Pires

José Herculano Pires, nasceu na cidade de Avaré, no Estado de São Paulo a 25/09/1914, e desencarnou nesta capital em 09/03/1979. Autor de 81 livros de Filosofia, Ensaios, Histórias, Psicologia, Pedagogia, Parapsicologia, Romances e Espiritismo, vários em parceria com Chico Xavier, sendo a maioria inteiramente dedicada ao estudo e divulgação da Doutrina Espírita.

[dropdown_box expand_text=”Resumo” show_more=”Expandir” show_less=”Ocultar” start=”hide”]

Destacou-se como um dos mais ativos e consistentes continuadores do Espiritismo no Brasil, traduzindo Os Escritos de Allan Kardec e escrevendo tanto estudos filosóficos quanto obras literárias inspirados na Doutrina Espírita.

A maior característica do conjunto de suas obras é a luta por demonstrar a consistência do pensamento Espírita e por defender a valorização dos aspectos crítico e investigativo da proposta sistematizada por Allan Kardec.

Em seus ensaios nota-se a preocupação em combater interpretações e traduções deturpadas das obras de Allan Kardec, inclusive aquelas que surgiram no seio do Movimento Espírita Brasileiro ao longo do século XX.

Os pensamentos de Herculano Pires: 1) O Espiritismo (proclamou ele advertindo os leitores do futuro) uma questão de bom-senso, como escreveu Kardec, mas as criaturas insensatas estão por toda parte. Precisamos manter constante vigilância em nossos estudos para não cairmos nas mistificações que nos levam a deturpar e aviltar a doutrina. Bastaria um pouco de humildade para vermos, como ensina Kardec, a ponta da orelha do mistificador, que sempre aparece nos textos mentirosos ou ilusórios.

A mistificação se alimenta da vaidade e pretensão, desse orgulho infantil a que não escapam nem mesmo pessoas ilustradas. Muitas vezes, pelo contrário, as pessoas ilustradas não passam de analfabetas ilustres, mais sujeitas, por sua vaidade pueril, mistificação, do que as pessoas humildes mas dotadas de bom-senso. Kardec tem razão ao afirmar que o bom-senso e a humildade são preservativos da mistificação. Nenhum espírito nos mistifica se nós mesmos já não estivermos nos mistificando por vontade própria. (1) Vide a obra de Herculano Pires “Curso Dinâmico de Espiritismo”

2) “Enganam-se os que pensam nos mortos como mortos. Eles estão mais vivos do que nós, dispõem de visão mais penetrante que a nossa, são criaturas mais definidas podem ver-nos, visitar-nos e comunicar-se conosco com mais facilidade e naturalidade preciso que não nos esqueçamos deste ponto importante: os homens são espíritos e os espíritos nada mais são do que homens libertos da injunções da matéria.

O tema, aparentemente sinistro devido ao milenar obscurantismo do clero católico, não tinha mistério para Herculano Pires. Conhecia as provas da imortalidade do ser humano obtidas por cientistas mundialmente famosos e pesquisara, ele mesmo, a mediunidade por mais de quarenta anos. (2) Vide a obra de Jorge Rizzini “Herculano Pires – O Apóstolo De Kardec”.

[/dropdown_box]

01, Agonia das religiões, 1976
02, A pedra e o joio, 1973
03, Ciência Espíritas e suas implicações terapêuticas, 1978
04, Concepção existencial de Deus, 1981
05, Curso dinâmico de Espiritismo – O grande desconhecido, 1979
06, Educação para a morte, 1978
07, Evolução espiritual do homem
08, Arigó vida mediunidade e martírio
09, Introdução à Filosofia Espírita
10, Homenagem aos 100 anos de “O Livro dos Espíritos”, 1957
11, Visão Espírita da Bíblia
12, O Centro Espírita

Voltar ao índice de autores

Compartilhe