P&R: Qual o conselho que Kardec indica nos casos de antagonismo entre os grupos espíritas?

Qual o conselho que Kardec indica nos casos de antagonismo entre os grupos espíritas?

O ciúme entre os diferentes grupos espíritas é uma demonstração de mesquinha rivalidade, de amor-próprio. Os adeptos imbuídos de um verdadeiro desejo de propagar a verdade, cujo fim é unicamente moral, devem ver com prazer multiplicarem-se as reuniões e, se existe concorrência entre elas, esta deve ser a de mais fazerem o bem. Aqueles que pretendam estar de posse da verdade, com exclusão dos outros grupos, deveriam prová-lo tomando por divisa o “Amor e a Caridade”, porque tal é a bandeira de todo espírita verdadeiro. Há grupos que alardeiam a superioridade dos Espíritos que os assistem? Que o provem pela superioridade dos ensinamentos que recebem e pela aplicação que deles fazem a si mesmos; eis aí um critério infalível para distinguir os que estão no melhor caminho. Todos os grupos e as reuniões espíritas devem, portanto, concorrer ao fim comum, que é a procura e a propagação da verdade, ainda que por meios diferentes; seus antagonismos, fornecendo armas aos adversários, poderão tão-somente prejudicar a causa que eles dizem defender.

(Allan Kardec -O Livro dos Médiuns,Itens 348 e 349)

Compartilhe