P&R: Que fazer diante das manifestações espíritas espontâneas?

Que fazer diante das manifestações espíritas espontâneas?

Em geral, não há motivos para se amedrontar; a presença dos Espíritos pode ser importuna, mas não perigosa. Se são Espíritos que se divertem, devemos rir-nos de suas peças, e não nos impacientar com elas: eles, então, acabarão por se cansar e se retirarão do local. É sempre útil saber, contudo, o que desejam. Se pedem alguma coisa, podemos estar certos de que cessarão suas visitas desde que seu desejo esteja satisfeito. A consulta nesses casos deverá ser feita através de um médium em boas condições de desenvolvimento. Se o autor das manifestações é um Espírito infeliz, a caridade manda seja tratado com as atenções que merece; se é um malvado, é preciso pedir a Deus que o torne melhor. Em todos os casos, a prece será sempre útil. Mas a gravidade das fórmulas de exorcismo os faz rir e eles não as levam em nenhuma conta.

(Allan Kardec – O Livro dos Médiuns, item 90.)

Compartilhe