P&R: Sabe-se que apesar de existirem espíritas dedicados ao seu aprimoramento moral e na divulgação espírita correta, há aqueles que fazem mais o mal que o bem, pela falta de mudança íntima, pelos maus pensamentos e sentimentos que nutrem constantemente. Qual orientação espiritual podemos extrair nesta situação?

Sabe-se que apesar de existirem espíritas dedicados ao seu aprimoramento moral e na divulgação espírita correta, há aqueles que fazem mais o mal que o bem, pela falta de mudança íntima, pelos maus pensamentos e sentimentos que nutrem constantemente. Qual orientação espiritual podemos extrair nesta situação?

“Ditosos os que hajam dito a seus irmãos: “Trabalhemos juntos e unamos os nossos esforços, a fim de que o Senhor, ao chegar, encontre acabada a obra”, porquanto o Senhor lhes dirá: “Vinde a mim, vós que sois bons servidores, vós que soubestes impor silêncio aos vossos ciúmes e às vossas discórdias, a fim de que daí não viesse dano para a obra!” Mas, ai daqueles que, por efeito das suas dissensões, houverem retardado a hora da colheita, pois a tempestade virá e eles serão levados no turbilhão! Clamarão: “Graça! graça!” O Senhor, porém, lhes dirá: “Como implorais graças, vós que não tivestes piedade dos vossos irmãos e que vos negastes a estender-lhes as mãos, que esmagastes o fraco, em vez de o amparardes? Como suplicais graças, vós que buscastes a vossa recompensa nos gozos da Terra e na satisfação do vosso orgulho? Já recebestes a vossa recompensa, tal qual a quisestes. Nada mais vos cabe pedir; as recompensas celestes são para os que não tenham buscado as recompensas da Terra.” – O Espírito de Verdade. (Paris, 1862.)

Allan Kardec. O Evangelho segundo o espiritismo, cap. XX, item 5.

Compartilhe